Errais por não conhecerdes as Escrituras! - Jesus Cristo

quarta-feira, 1 de março de 2017

O Mar Vermelho e a ira do Senhor




Os hebreus à frente instigados a andar depressa por Moisés, pois ele, com o conhecimento que tinha do poderio egipcio, sabia que o ódio do Faraó era maior que a tristeza e praticamente sabia que o orgulho ia lançar o Faraó e seu exército em perseguição a eles. E não deu outra: quando chegaram próximo ao Mar Vermelho, o exército já estava nos calcanhares do povo de Deus. Não se atravessa um mar a nado e tampouco ninguém, em sã consciência irá voltar e enfrentar, desarmado, um furioso exército.
  Mas o que o Faraó não contava e os hebreus ainda não tinham plena consciência, é que o o Anjo do Todo Poderoso já os estava protegendo desde a saída do Egito. De dia, uma nuvem  ia à frente do povo, guiando-os pelo caminho e inclusive pairando sobre aqueles 3 milhões de almas e dando-lhes refrescante sombra e, à noite, uma coluna de fogo também os dirigia, para que eles pudessem caminhar dia e noite, para o mais longe que pudessem do Egito.

O exército do Faraó persegue os hebreus e vento e fogo atrasam os soldados egipcios
Todas as fotos publicadas aqui são do filme Os 10 Mandamentos, de 1956


  Mas agora, o Faraó, seus soldados em bigas e cavalos nervosos, estavam próximos a eles, mas aí a nuvem do Senhor encobriu o caminho e as bigas tinham que ir lentamente, pois os soldados nada viam. Uma grande ventania fustigava e atemorizava os cavalos. Então o Senhor disse a Moisés para bater seu cajado na água da praia. Moisés não entendeu nada, mas obedeceu, pois sabia que estava diante da maior força do Universo. Do poder que criou o próprio Universo. Assim feriu a água do Mar Vermelho com seu cajado e um vento furioso começou a soprar e a partir as águas do mar, abrindo um caminho de margem a margem, por onde Moisés mandou o povo começar a passar apressadamente.

Moisés (Charlton Heston - Os 10 Mandamentos - 1956)
 bate com o cajado na água e o mar se divide em dois...

  Enquanto isso ocorria, fora da vista do exército do Faraó, a nuvem lá atrás continuava impedindo-os de prosseguir. O mar soprou toda a noite, segurando os dois lados das águas do mar, até que o próprio Moisés e seus irmãos Aarão e Miriam, vendo que o povo já estava quase todo do outro lado, também atravessaram entre as duas montanhas de água. Quando estavam pelo meio, o Senhor tirou sua nuvem de frente dos cavalos e o exército egipcio saiu em disparada, penetrando por entre o tunel de água feito por Adonai. Assim que a maior parte do exército estava entre as águas do Mar Vermelho, o Senhor fez com que as rodas das bigas atolassem, para atrasá-los, até o restante do povo e Moisés estivessem a salvo na outra margem.
  Quando isso aconteceu, o Senhor mandou  Moisés ferir novamente as águas e elas se fecharam estrondosamente sobre o exército do Faraó, matando cavalos e cavaleiros. Quando as águas se acalmaram, voltando ao normal, o Faraó e seus generais contemplaram estarrecidos os corpos mortos de soldados e cavalos e pedaços de bigas espalhados pela praia. O Faraó voltou para seu reino completamente derrotado e humilhado pelo Senhor, para aprender que não há nenhum soberano, homem ou demônio na Terra, no inferno ou em qualquer qualquer parte do Universo que possa enfrentar e vencer o Deus dos deuses e Senhor dos senhores, o Deus dos Exércitos!

...E o povo de Deus chega à outra margem do Mar Vermelho são e salvo

  Porém, dias depois, mesmo vendo o poder e a proteção do Senhor, vários entre o povo começaram a reclamar e o murmúrio deles acabou por contaminar os demais e eles diziam que, para morrer no deserto era melhor terem ficado no Egito, onde tinham carne, água e local de descanso...tipo “no Egito estava bem melhor”!
  E o Senhor deu água a eles, fazendo com que da rocha dura e seca do deserto jorrasse um rio de água e para comida, começou a enviar ao povo o “pão do Céu”, o Manah, que tinha sabor de mel e derretia na boca, como nuvem. E alimentava todo aquele povo. Mas os murmuradores começaram a reclamar de novo e o Senhor, perdendo a paciência, como aconteceu com os primeiros humanos da Terra, quando Deus mandou um dilúvio que matou a todo ser sobre a face da terra, salvando apenas Noé numa arca que ele e seus filhos levaram cerca de 100 anos para fazer...é naquele tempo a coisa não era moleza. Então, depois daquele fato, o Senhor jurou que não mataria mais ninguém sobre a terra com água. Mas agora aqueles murmuradores tentaram a paciência do Senhor Eterno e Ele disse a Moisés que ia matar a todos e de Moisés levantaria outro povo para Ele.
  O grande servo do Senhor caiu de joelhos e disse ao Senhor para não fazer aquilo, pois no Egito e em outras nações iriam dizer que o Senhor tirou o povo da escravidão apenas para matá-lo no deserto. Então o Senhor ouviu Moisés e disse que não iria matá-los ali, mas que também não ficaria perto deles, para não se irar novamente. O Senhor deixou aquele povo e mandou um anjo de Sua parte para ajudar Moisés a continuar a missão.