Errais por não conhecerdes as Escrituras! - Jesus Cristo

sábado, 18 de março de 2017

Reis e Profetas 01





 Pelas narrativas feitas até aqui, dá pra perceber que, como diz um ditado alemão, Deus dá as nozes mas não as quebra para você. Assim foi com o povo de Deus, que segundo disse um rabino que esqueci o nome, infelizmente, tem mais responsabilidade do que os gentios, como eles chamam as pessoas não nascidas em Israel.
  Abraão mesmo, o amigo de Deus, teve seu acampamento saqueado certa vez e juntou seus criados e partiu atrás dos saqueadores, que estavam levando bens e até pessoas que eram do acampamento do Patriarca. E Abraão os alcançou, lutou e venceu e recuperou tudo.
  Isaque, filho de Abraão, passava por aflições por causa de homens ruins que iam na calada da noite e enchiam os poços de água de pedra, obrigando Isaque ao pesado trabalho de abrir outros poços, pois a água no deserto é mais desejada que muitos tesouros. Seu valor é inestimável a homens e animais.
  Jacó, filho de Isaque, neto de Abraão, teve mais desgostos do que problemas. O maior foi sentir a perda do filho José, vendido como escravo para o Egito pelos próprios irmãos, por inveja e maldade. Para o pai eles disseram que uma fera havia atacado e matado José. Jacó quase morreu de tristeza e, ao fim da vida, teve a felicidade de encontrar o querido filho, não só vivo mas governador de todo o Egito! Jacó se reuniu aos seus sem saber da terrível ação que seus outros filhos fizeram com José...
  Após mais de 400 anos, surge Moisés a quem o Senhor usou para libertar e conduzir seu povo que àquela altura já era escravo dos egípcios. E o povo, que formava uma multidão de quase três milhões de almas, vagavam por planícies no deserto e assustava os outros povos, que lhe promovia guerras. E, naquele tempo ninguém de Israel sabia guerrear e nem armas tinha. Moisés teve que treiná-los e o Senhor dava a vitória a eles através do seu servo.
  Passada a peregrinação pelo deserto, que nós já narramos, Josué assume o lugar de Moisés e já entra na Terra Prometida guerreando com vários povos idólatras, os quais o Senhor não queria que Israel tivesse convivência com eles, pois eles adoravam os mais variados deuses e faziam sacrifícios humanos a seus ídolos.
  Gideão, juiz de Israel tempos depois de Josué, teve que lutar também com vários exércitos que queriam acabar com o povo de Deus. Mas o Senhor ia dando vitórias e mais vitórias ao seu povo, tornando-o temido e fazendo que os povos temessem Adonai, o Deus de Israel e terror de Jacó!
  Quase todos os juízes lutaram contra inimigos de Israel. Depois, na época dos reis, Saul continuou guerreando contra outros povos e teve várias vitórias, até que o Senhor se afastou dele e ele foi derrotado, com todo o exército de Israel. Mas Davi, que já havia sido ungido rei por Samuel a mando do Senhor e que vivia foragido pelas montanhas pois Saul lhe dedicava ódio mortal, assumiu como rei, primeiro em Judá, tribo à qual pertencia e depois, com suas vitórias sobre os inimigos, as restantes dez tribos de Israel se uniram a ele e combateram juntos por 40 anos os inimigos de Israel, até que a Nação teve paz. Davi foi rei de Judá por 7 anos e 33 anos rei sobre todo o Israel unificado. Quando seu filho Salomão nasceu, a terra estava em paz e assim ficou durante todo o reinado de Salomão, o rei a quem o Senhor não fez guerreiro como Davi, mas fez dele o homem mais sábio do mundo!
  Nessa época, Natan, o primeiro homem citado na Palavra Sagrada como profeta do Senhor, assistia junto a Davi e depois, junto a Salomão.