Errais por não conhecerdes as Escrituras! - Jesus Cristo

quinta-feira, 23 de março de 2017

Reis e Profetas 06


 



O profeta Eliseu, que estava diante da face de Deus e atuava poderosamente diante dos homens, ficou morando nas terras de Israel, onde Adonai irá realizar muitos milagres através desse grande servo. E, enquanto o profeta Eliseu trabalhava de um lado, Jeú, a quem ele mandara um discípulo seu ungir rei de Israel, começava a agir.
  E guiando sua biga furiosamente diante do seu pequeno exército, Jeú se dirige para onde, informaram, estavam juntos os reis de Israel e o de Judá. Jorão, rei de Israel, filho de Acabe e de Jezabel, fora ferido em luta contra os sírios e voltara a Jizreel, para se curar. Josias, rei de Judá, sabendo disso, foi visitá-lo.
  A sentinela do castelo de Jizreel deu o aviso que uma tropa se aproximava. Enviaram três homens para saber se o pequeno grupo vinha em paz. Jeú respondia ásperamente ao soldado e mandava ele se juntar ao grupo. E assim foi com os três, até que os dois reis sairam ao encontro de Jeú. Quando Jorão viu que Jeú vinha determinado à luta, gritou para Acazias e os dois intentaram fugir.
  Jeú tirou seu arco e atingiu Jorão nas costas. A flecha lhe atravessou o coração. Passando no galope, Jeú gritou a alguns soldados para que pegassem o corpo de Jorão e o atirassem no campo de Nabote, para que as aves do céu comessem suas carnes, pois assim o Senhor determinara aos da casa de Acabe.
  E, aproximando-se de Acazias, Jeú gritou a outros soldados para matá-lo, mas a este deviam sepultar, pois era da casa de Judá. E Jeú, sem parar adentrou violentamente pelas portas de Jizreel, onde sabia, estava a rainha. Jezabel, já informada de tudo, pintou os olhos, ornou-se e foi até a sacada, onde procurou chamar a atenção de Jeú. Junto dela estavam dois ou três criados, para os quais Jeú gritou: - Peguem-na e a atirem daí pra baixo! – Os criados pegaram a rainha e a jogaram da sacada e seu corpo arrebentou-se sobre as pedras lá embaixo, salpicando de sangue a parede e os cavalos.
  Jeú passou com o cavalo por cima dela e entrou a comer e a beber. Depois disse: - Olhai por aquela maldita, e sepultai-a, porque é filha de rei. - Foram, pois, para a sepultar; porém não acharam dela senão a caveira, os pés e as palmas das mãos. Então voltaram, e lho disseram. Pelo que ele disse: Esta é a palavra do Senhor, que ele falou por intermédio de Elias, o tisbita, seu servo, dizendo: No campo de Jizreel os cães comerão a carne de Jezabel, e o seu cadáver será como esterco sobre o campo, na herdade de Jizreel; de modo que não se poderá dizer: Esta é Jezabel!
  E Jeú ainda matou todos os profetas e adoradores de Baal em toda a terra de Israel e o Senhor, satisfeito com ele, prometeu que até a quarta geração, seus descendentes reinariam sobre Israel.

quarta-feira, 22 de março de 2017

Reis e Profetas 05








Antes da morte de Acabe, houve uma seca muito grande em Israel. Durou anos. Tal tragédia, é claro, era pelos pecados de Acabe e do povo, que se perverteram atrás de ídolos, abandonando o Deus de Israel. Não bastasse a abominação de adorarem ídolos, eles também mataram todos os profetas do Senhor, restando vivo àquela época, somente Elias.
  E a palavra do Senhor veio a Elias para que ele fosse ao rei e dissesse que Deus ia mandar chuva, terminando com a longa e dolorosa estiagem. Elias foi e, ao encontrar com Acabe, ele falou da chuva e disse para Acabe enviar todo o povo de Israel ao Monte Carmelo, como também os 450 profetas de Baal e os 400 profetas de Asera (estes 400 profetas a Bíblia não cita o que lhes aconteceu. Na sequência, somente os profetas de Baal são citados).
  Então Acabe convocou todos os filhos de Israel, e reuniu os profetas no monte Carmelo. E Elias se chegou a todo o povo, e disse: Até quando coxeareis entre dois pensamentos? Se o Senhor é Deus, segui-o; mas se Baal, segui-o. O povo, porém, não lhe respondeu nada.
 Então disse Elias ao povo: Só eu fiquei dos profetas do Senhor; mas os profetas de Baal são quatrocentos e cinqüenta homens. Dêem-se-nos, pois, dois novilhos; e eles escolham para si um dos novilhos, e o dividam em pedaços, e o ponham sobre a lenha, porém não lhe metam fogo; e eu prepararei o outro novilho, e o porei sobre a lenha, e não lhe meterei fogo.
 Então invocai o nome do vosso deus, e eu invocarei o nome do Senhor; e há de ser que o deus que responder por meio de fogo, esse será Deus. E todo o povo respondeu, dizendo: É boa esta palavra.
 E, tomando o novilho que se lhes dera, prepararam-no, e invocaram o nome de Baal, desde a manhã até o meio-dia, dizendo: Ah Baal, responde-nos! Porém não houve voz; ninguém respondeu. E saltavam em volta do altar que tinham feito. Elias zombava deles, dizendo: - Clamai em altas vozes, porque ele é um deus; pode ser que esteja falando, ou que tenha alguma coisa que fazer, ou que intente alguma viagem; talvez esteja dormindo, e necessite de que o acordem.
 E eles clamavam em altas vozes e, conforme o seu costume, se retalhavam com facas e com lancetas, até correr o sangue sobre eles. Mas não houve resposta do ídolo deles...Então Elias disse a todo o povo: chegai-vos a mim. O profeta do Senhor reparou o altar do Senhor, que havia sido derrubado e tomou doze pedras, conforme o número das tribos dos filhos de Jacó. E com as pedras edificou o altar em nome do Senhor; depois fez em redor do altar um rego, em que podiam caber duas medidas de semente.
 Então armou a lenha, e dividiu o novilho em pedaços, e o pôs sobre a lenha, e disse: Enchei de água quatro cântaros, e derramai-a sobre o holocausto e sobre a lenha. Os homens fizeram isso por três vezes, de maneira que a água corria ao redor do altar; e ele encheu de água também o rego.
 Sucedeu pois que, sendo já hora de se oferecer o sacrifício da tarde, o profeta Elias se chegou, e disse: Ó Senhor, Deus de Abraão, de Isaque, e de Israel, seja manifestado hoje que tu és Deus em Israel, e que eu sou teu servo, e que conforme a tua palavra tenho feito todas estas coisas. Responde-me, ó Senhor, responde-me para que este povo conheça que tu, ó Senhor, és Deus, e que tu fizeste voltar o seu coração.
 Então caiu fogo do Senhor, e consumiu o holocausto, a lenha, as pedras, e o pó, e ainda lambeu a água que estava no rego. Quando o povo viu isto, prostrou-se com o rosto em terra e todos disseram: O senhor é Deus! O Senhor é Deus! Disse-lhes Elias: - Agarrai os profetas de Baal! Que nenhum deles escape! Os homens de Israel agarraram-nos e Elias os fez descer ao ribeiro de Quisom, onde os matou.
  A chuva veio forte e intensa sobre toda a terra de Israel e Elias, após matar os 450 profetas de Baal, teve que fugir, pois Jezabel o perseguiria com todo seu ódio, jurando matá-lo...
  Feito isso e depois da fuga, Elias é mandado pelo Senhor voltar a Israel para avisar Acabe do castigo que cairia sobre ele e sua posteridade e sobre Jezabel e o Senhor também manda Elias preparar a Eliseu como seu sucessor. Elias seria pouco mais tarde levado ao Céu num carro de fogo.

  O amor e admiração dos judeus pelo santo profeta de Deus é tanta, que em Israel até tempos atrás, não sei se ainda hoje, era costume deixar um copo de vinho fora da porta de cada lar em determinado dia do ano, para que o profeta bebesse...

terça-feira, 21 de março de 2017

Reis e Profetas 04






  No tempo que Josafá reinava sobre Judá, o rei Acabe, filho de Onri, reinava sobre Israel e, ele além de ser perverso e fazer o que era mau diante do Senhor, como o fizera seu pai, pra piorar casou-se com Jezabel, uma mulher de outro povo e adoradora de Baal. E Acabe adorava Baal e levaram todo Israel a pecar terrivelmente contra o Senhor.
  Jezabel dominava Acabe e este acabava fazendo mais maldade, como no caso da vinha de Nabote, que ficavam próximas ao castelo de Acabe. Este cobiçou a bela vinha e fez várias ofertas, todas recusadas por Nabote. Jezabel vendo o marido aborrecido por causa da vinha e sabendo deste o motivo, escreveu cartas em nome de Acabe aos anciãos para apregoarem jejum e chamarem dois filhos de belial para acusarem falsamente Nabote dizendo que ele blasfemara contra Deus. E que depois disso, o apedrejassem até a morte. E assim foi feito e Acabe tomou posse da vinha do pobre e inocente Nabote.
   Foi nessa época que Deus usou grandemente três homens, a saber, o profeta Elias, aquele que mais tarde seria levado pelos anjos ao Céu num carro de fogo, o profeta Eliseu, que também procedeu poderosamente, após o Senhor mandar Elias o preparar para ser seu sucessor e, por fim, Jeú, capitão do Exército de Israel, homem correto e valoroso guerreiro, a quem Deus mandou Eliseu ungir como rei de Israel no lugar de Acabe.
  Todos os demais capitães do exército de Israel apoiaram a unção de Jeú. Mas Acabe e a perversa Jezabel ainda de nada sabiam. O Senhor então mandou a Elias ir ter com Acabe e dizer-lhe que onde os cães haviam lambido o sangue de Nabote, lamberiam também o de Acabe. E mais disse Elias a Acabe: Jezabel será morta e seu corpo será devorado por cães no antemuro de Jizreel, cidade de Samaria onde estava o castelo de Acabe. E dos filhos de Acabe, sejam livres ou escravos, os que morrerem no campo as aves os comerão e os que morrerem na cidade, cães comeram de suas carnes. Não haverá sepultura para os descendentes de Acabe.
  Três anos depois Acabe entrou em guerra com o exército da Síria e no meio da peleja um arqueiro sírio retesou seu arco e atirou uma flecha a esmo. E ela foi encravar justamente entre as pregas da armadura de Acabe, ferindo-o gravemente. Os seus homens levaram seu carro para fora da batalha, mas ele morreu. Sepultaram-no e quando foram lavar sua biga no tanque de Samaria onde também se lavavam as prostitutas,  cães lamberam o sangue dele que escorria do fundo do carro de combate.  

Nota – Filhos de Belial - Belial é o rei-comandante do Sheol (parte das regiões infernais). Na demonologia cristã, é reconhecido como um antigo “anjo da  virtude”, que após a luta contra Miguel e seus anjos, foi expulso do Céu junto com Lúcifer e os demais seguidores deste. Belial foi transformado no demônio da arrogância e da loucura e é responsável pela luxúria, e foi por sua causa que as cidades de Sodoma e Gomorra caíram em tentação. Ele aparece na forma de dois anjos sentados em uma carruagem de fogo. De outra forma, no hebraico, filhos de Belial era uma referência a homens do mal, inúteis, filhos da indignidade e rebeldes.

segunda-feira, 20 de março de 2017

Reis e Profetas 03




   Como escrevi, Israel se formou na escravidão do Egito e depois, com a força do Senhor, apesar de Israel ser povo rebelde, eles foram conquistando seu espaço e o anjo do Senhor ia derrotando grandes exércitos à frentes dos israelitas, que começaram a lutar com pedaços de pau e pedra e depois  forjaram espadas e lanças e fizeram arcos e flechas e se tornaram grandes guerreiros.
  O povo de Deus sempre teve que lutar, pois seus inimigos foram muitos e são muitos até hoje. Então para o povo judeu, Israel é a razão máxima de suas vidas, um pedaço de terra para eles é como uma mina de ouro, pois através da persistência e do trabalho, eles, com as bênçãos de Adonai, fizeram do deserto em que os árabes deixaram suas terras, um grande jardim. Como diz o autor de Êxodus, Leon Uris, os árabes nada fizeram nos quase 2 mil anos que os judeus ficaram espalhados pela Terra. Para o povo árabe, abençoado com um grande território rico em petróleo, nada precisava ser feito. As riquezas e subsistência deles e de seus descendentes já estavam prontas no subsolo!
  O povo de Deus não teve essa moleza e por isso foi um povo guerreiro e é até hoje e, por ser um povo de dura cerviz, é o povo que mais trouxe sofrimento sobre si!
  Mas, voltando ao tempo dos reis, Judá teve o rei Asa, que fez o que era reto aos olhos do Senhor e foi abençoado. Asa lutou muito também contra vários inimigos. Uma de suas lutas espetaculares foi quando enfrentou um grande exército etíope. As forças eram terrivelmente superiores ao Exército do rei Asa. Ele olhou, analisou, deve ter pesado os prós e contras para atacar um exército daquele tamanho e de repente, virou-se para seu homens e disse: “Vamos atacá-los e que o Senhor Deus faça o que Lhe parecer melhor”!
E Asa avançou com seus homens sobre os etíopes e os derrotou!
  Na sequência do reinado de Asa, veio seu filho, Josafá, um rei também fiel ao Senhor, como seu pai e que conduziu em relativa paz o reino de Judá. Ele só teve uma aflição quando três exércitos, um de cada nação, se uniram para atacar Judá. Asa, que não era dado às guerras e nem tinha um grande exército, orou para Deus, junto com todo povo de Judá, em frente o Templo do Senhor em Jerusalém. Aquele Templo era o construído por Salomão que ao dedicá-lo ao Senhor, orou e pediu para que em qualquer situação, onde quer que estivesse, se alguém em aflição orasse em direção ao Templo, Deus em Seu Santo Trono ouviria e socorreria...
  E dessa maneira, usando as palavras do rei Salomão, Josafá pediu ajuda ao Senhor, falando sobre os três exércitos que caminhavam para destruir Judá. Assim que terminou a oração, o Espírito do Senhor se apossou de um profeta e falou através dele para que o rei não temesse, que aquela luta seria Dele. Que ninguém desembanhasse a espada. Que todos fossem de manhã ao vale onde os três exércitos acamparam, antes do ataque, para ver a grande libertação que o forte braço do Senhor iria fazer.
  De manhã o rei Judá e todo o povo sairam até um alto morro, de onde podia-se ver todo o vale. Os cantores do Templo iam à frente, tocando seus instrumentos e cantando e louvando o Todo Poderoso de Jacó. E, como o Senhor disse, assim foi. Os três exércitos foram estraçalhados. O Senhor fez com que eles mesmos se matassem uns aos outros à noite. Na confusão gerada pelo anjo do Senhor, cada um levantava a espada contra seu companheiro, pensando ser o inimigo. E assim, naquele dia, toda Judá viu o poder do Deus de Abraão, Isaque e Jacó.

domingo, 19 de março de 2017

Reis e Profetas 02



 No entanto Salomão, mesmo sábio, não conseguiu filhos que seguissem seu caminho de paz. Morto, assumiu o trono sobre as doze tribos de Israel, seu filho Roboão. Mas este era tolo e mau e deixando de ouvir o conselho dos anciãos, seguiu as tolices de seus jovens amigos, que cresceram com ele. Assim, quando o povo, tendo a frente Jeroboão, pediu para que Roboão baixasse os impostos que Salomão cobrava do povo....desde aquele tempo já era o povo que pagava as mordomias dos poderosos...Bem, Roboão então respondeu ao povo que se os impostos do seu pai eram pesados, os dele seriam muito mais.
  Então Israel se revoltou, voltando a ser uma nação dividida como antes. Roboão ficou reinando sobre Judá, com a tribo de Levi servindo no Templo e as dez outras tribos de Israel coroaram Jeroboão seu rei.
  E Roboão foi um rei que fez o mal diante do Senhor e Jeroboão fez ainda mais que ele, colocando bezerros de ouro e outros ídolos e fazendo amizade com povos abomináveis a Deus.
  Houve guerras entre Israel e Judá durante todo o reinado de Roboão e Jeroboão. Este, irou tanto ao Senhor com os pecados que levou Israel a cometer, que o Senhor amaldiçoou ele e todos os varões nascidos em sua casa, escravos ou não, falando por seu profeta Aías que todos que morressem na cidade, seriam comido pelos cães e, se morressem no campo, as aves do céu os devorariam. Eles não teriam uma sepultura.
  Esta maldição do Senhor somente se repetiria anos depois sobre a casa de Acabe, outro rei de Israel.

sábado, 18 de março de 2017

Reis e Profetas 01





 Pelas narrativas feitas até aqui, dá pra perceber que, como diz um ditado alemão, Deus dá as nozes mas não as quebra para você. Assim foi com o povo de Deus, que segundo disse um rabino que esqueci o nome, infelizmente, tem mais responsabilidade do que os gentios, como eles chamam as pessoas não nascidas em Israel.
  Abraão mesmo, o amigo de Deus, teve seu acampamento saqueado certa vez e juntou seus criados e partiu atrás dos saqueadores, que estavam levando bens e até pessoas que eram do acampamento do Patriarca. E Abraão os alcançou, lutou e venceu e recuperou tudo.
  Isaque, filho de Abraão, passava por aflições por causa de homens ruins que iam na calada da noite e enchiam os poços de água de pedra, obrigando Isaque ao pesado trabalho de abrir outros poços, pois a água no deserto é mais desejada que muitos tesouros. Seu valor é inestimável a homens e animais.
  Jacó, filho de Isaque, neto de Abraão, teve mais desgostos do que problemas. O maior foi sentir a perda do filho José, vendido como escravo para o Egito pelos próprios irmãos, por inveja e maldade. Para o pai eles disseram que uma fera havia atacado e matado José. Jacó quase morreu de tristeza e, ao fim da vida, teve a felicidade de encontrar o querido filho, não só vivo mas governador de todo o Egito! Jacó se reuniu aos seus sem saber da terrível ação que seus outros filhos fizeram com José...
  Após mais de 400 anos, surge Moisés a quem o Senhor usou para libertar e conduzir seu povo que àquela altura já era escravo dos egípcios. E o povo, que formava uma multidão de quase três milhões de almas, vagavam por planícies no deserto e assustava os outros povos, que lhe promovia guerras. E, naquele tempo ninguém de Israel sabia guerrear e nem armas tinha. Moisés teve que treiná-los e o Senhor dava a vitória a eles através do seu servo.
  Passada a peregrinação pelo deserto, que nós já narramos, Josué assume o lugar de Moisés e já entra na Terra Prometida guerreando com vários povos idólatras, os quais o Senhor não queria que Israel tivesse convivência com eles, pois eles adoravam os mais variados deuses e faziam sacrifícios humanos a seus ídolos.
  Gideão, juiz de Israel tempos depois de Josué, teve que lutar também com vários exércitos que queriam acabar com o povo de Deus. Mas o Senhor ia dando vitórias e mais vitórias ao seu povo, tornando-o temido e fazendo que os povos temessem Adonai, o Deus de Israel e terror de Jacó!
  Quase todos os juízes lutaram contra inimigos de Israel. Depois, na época dos reis, Saul continuou guerreando contra outros povos e teve várias vitórias, até que o Senhor se afastou dele e ele foi derrotado, com todo o exército de Israel. Mas Davi, que já havia sido ungido rei por Samuel a mando do Senhor e que vivia foragido pelas montanhas pois Saul lhe dedicava ódio mortal, assumiu como rei, primeiro em Judá, tribo à qual pertencia e depois, com suas vitórias sobre os inimigos, as restantes dez tribos de Israel se uniram a ele e combateram juntos por 40 anos os inimigos de Israel, até que a Nação teve paz. Davi foi rei de Judá por 7 anos e 33 anos rei sobre todo o Israel unificado. Quando seu filho Salomão nasceu, a terra estava em paz e assim ficou durante todo o reinado de Salomão, o rei a quem o Senhor não fez guerreiro como Davi, mas fez dele o homem mais sábio do mundo!
  Nessa época, Natan, o primeiro homem citado na Palavra Sagrada como profeta do Senhor, assistia junto a Davi e depois, junto a Salomão.  

domingo, 12 de março de 2017

JHONICAR - Serviço profissional para clientes campeões!

  




Jhonicar agora com a supernovidade que é o CARTÃO FIDELIDADE para seus clientes na troca de óleo. O cliente faz 3 trocas e a 4a é grátis! E ainda, se você trouxer um amigo para fazer a troca de óleo, ela será contada para você, adiantando a 4a troca grátis!

JHONICAR - O melhor para seu carro
 e mais economia na manutenção!  

video

sábado, 11 de março de 2017

Eu sei o que sou

video

Haverá saída?

video

Um povo rebelde

 




  Continuando a sequência do meio do Velho Testamento até seu fim, após juizes começam os livros dos Reis de Israel, que têm início já com um rei Davi velho e fraco e que, antes de morrer, além de passar todo o projeto do primeiro Templo do Senhor em Jerusalém e também material, madeiras, ferro, prata, ouro e tudo o necessário para a construção, também passa o trono para Salomão, seu filho com Bete-Seba em algumas traduções ou Bate-Seba em outras...
  A partir de Reis, vem os livros das Crônicas dos Reis de Israel e na sequência, vem Esdras e Neemias, dois servos de Deus que foram responsáveis pelo construção do 2o Templo do Senhor, já que Nabucodonor, além, de levar o povo israelita escravo, destruiu o primeiro Templo.
  Isso se deu na época da atuação do profeta Jeremias, que insistiu até o fim para o Senhor perdoar o povo, mas este havia irado tanto o Senhor com sua idolatria e demais imundícias, que o Senhor pesou a mão sobre eles para o mal. E por muitos anos o povo de Deus foi entregue ao cativeiro, primeiro com o rei da Babilônia e depois no reino da Pérsia. Ciro, rei dos medos-persas naquela época foi quem libertou vários homens e colocou sob a liderança de Esdras e Neemias e lhes deu tudo de que precisavam em pessoal e material, para que fossem reconstruir o Templo do Senhor.
  De Esdras e Neemias até o livro de Cântico dos Cânticos, que como Provérbios e Eclesiastes, foi escrito pelo rei Salomão, tem vários livros chamados poéticos, como Jó, Salmos e o próprio Cântico dos Cânticos, que saem da linha principal da narrativa das Escrituras Sagradas, até o final do Velho Testamento, que é fechado com o livro dos profetas, que conforme já escrito em outro post, apesar de estarem agrupados no final, a maioria dos grandes profetas, homens santos do Senhor, agiram na época dos reis de Israel.
  Quanto aos livros “poéticos” citados acima, em Jó você encontrará profecia a respeito de Jesus e nos Salmos, muitas, muitas referências do salmista sobre Jesus também.
  Assim explicado, é necessário voltar ao livro de Juízes e aos dos Reis, para conhecermos pelo menos alguns que mais se destacaram no serviço do Senhor. O povo, continua rebelde, sob os juízes ou sob os reis, pois era um povo rebelde. E com isso, virando as costas para Adonai, eles foram enfraquecendo o reino de Israel que àquela época tinha como inimigos principais os moabitas e os filisteus. Mas tiveram muitos outros inimigos e o Senhor, quando o povo se arrependia, levantava um juiz para lutar contra os inimigos.
  Entre os vários juízes de Israel, há narrativas interessantes sobre alguns, não contando aqui os mais famosos, como Josué, Samuel, Gideão e Sansão. Israel teve uma única juiza e sacerdotisa mulher, que foi Débora. Era muito forte e não temia homens e outro juiz que marcou foi Jefté, pela sua coragem e por seu voto impensado, dizendo ao Senhor que, se Ele o ajudasse a derrotar os amonitas, ofereceria em holocausto a primeira pessoa que saísse de sua casa ao seu encontro, quando regressasse.
  Assim, Jefté derrotou o inimigo e, ao voltar, para sua infelicidade, pois não tinha filho varão, quem saiu ao seu encontro em primeiro foi sua única filha. E sabendo disso e vendo o silencioso desespero do pai, a donzela (pois ainda era virgem), animou ele a fazer o que prometera ao Senhor, pedindo um tempo apenas para se despedir da vida ao lado das amigas. Com seu sacrifício, tornou-se costume em Israel, todos os anos, fazer lamentação por quatro dias pela filha de Jefté.
  E, depois dos juízes e dos reis, Deus se afastou daquele povo rebelde e por um bom tempo todo o povo ficou às tontas, sem quem lhe orientasse e assim, cada qual fazia o que achava bem aos seus olhos. Havia muitas guerras com outros povos e até mesmo o próprio povo de Israel acabou lutando entre si por causa de uma má ação dos da tribo de Benjamim...
  Este relato, que está no final do livro de Juízes, também deixa o leitor às tontas, pois fica difícil inserí-lo em qualquer parte, já que após esse fatos horríveis, vem os livros de Samuel e depois, Reis e Crônicas, para depois entrar em Esdras, Neemias e Ester, quando o povo ainda se encontrava escravo em outras terras. Após isso, entram os já citados livros poéticos e depois, finaliza com os profetas...Eu penso que pode ser um curto período entre os juízes e os reis, pois cita-se na Bíblia Sagrada, quando Samuel é levado por sua mãe para o templo, que o sacerdote Eli era um líder frouxo e nem seus filhos o obedeciam e faziam o mal diante do Senhor. Creio eu que só pode ser nesse período, que não se sabe quanto tempo durou, que o povo pecou ainda mais contra o Senhor e foi para a escravidão. Daí só teremos um norte a partir da volta de Esdras e Neemias e com a construção do segundo Templo e a reconstrução de Jerusalém.
  No próximo post, voltaremos aos reis de Israel, suas boas ou más ações e o que fizeram os profetas no reinado deles. Falaremos sobre os reinados depois dos de Davi e Salomão, como o de Asa, Josafá e Jeú, que fizeram o bem diante do Senhor e Acabe, Roboão e a maioria dos outros reis, que fizeram o mal e dos profetas que os enfrentaram como Natan, Elias, Eliseu e outros...

Aniversário da AGROPEC!

Peço licença para postar esta chamada da Agropec. Ela fica em Barra Bonita, SP e amigos meus passaram lá e disseram que os preços estão realmente tão baixos com os descontos que até uns pets, também meus
amigos, foram até lá pra conferir!...


Clique sobre a foto pra aumentar...

quinta-feira, 9 de março de 2017

Quando Jesus, deixando Sua Glória, nasce na Terra como o Messias enviado por Deus, Israel era dominado por Roma

 




  No mapa antigo, dá pra ver a grande parte de terra que Israel conquistou, que vai de Beerseba e o deserto onde peregrinou o povo. Daquela parte em frente, vem toda a Canaã até as terras da Síria e Fenícia. À esquerda do mapa, tem o Vale do Megido onde Adonai travará a batalha definitiva contra o exército de Lúcifer e além, o grande mar.
  À direita vem o deserto da Arábia e Babilônia . Todo esse enorme território passou a formar a grande nação de Israel, com a cidade santa, Jerusalém, ao centro.
   Mas o povo, apesar de todos os avisos de Moisés a seus pais e dos constantes alertas do Senhor através dos seus santos profetas e do poder e presença constante de Adonai protegendo Israel, sempre ia para o mau caminho, seguindo outros povos e adorando seus ídolos, o que era irritação e aborrecimento para o Senhor. Daí começaram a vir os castigos como já fora previsto por Josué a mando de Moisés, após passar o Jordão. Representantes das 12 tribos de Israel subiram aos montes Gerizim e Ebal (6 tribos em cada monte) e de lá pronunciaram as bênçãos e maldições do Senhor, escritas por Moisés. E para cada bênção ou maldição, eles tinham de dizer amém.
  Assim, se eles procedessem corretamente perante Adonai, seriam muito abençoados na terra prometida onde entravam naquele dia; e, se desobedecessem, seriam amaldiçoados. E eles concordaram, mas poucos anos depois começaram a desvirtuar seus caminhos, praticamente como todo homem faz sobre a face da Terra. Não é por que se é cristão ou de qualquer outra religião, que estamos livres por causa do sacrifício de Jesus. O mesmo que foi lido em Gerizim e Ebal, também serve para nós. Se seguimos e obedecemos a Jesus, iremos bem; se não, se preferirmos a estrada larga, como Ele mesmo disse, teremos muitos problemas.
  Bem, mas o povo de Deus, filhos de Abraão, são os exemplos para nós de acordo com as ações que praticaram. Como escreve o apóstolo Paulo, se Deus não poupou seu povo, imagina se poupará a nós, que fomos aceitos por Deus pela Graça através de Seu Filho Jesus.
  Assim, nesse cai e levanta, Deus acabou pegando pesado com Israel e deixou que Nabucodonosor invadisse as terras, dominasse o povo e ainda que levasse a maioria cativa para a Babilônia. E, para não ter dúvidas do quanto aquele povo irritou a Deus, Ele deixou que o exército de Nabucodonosor destruísse o Templo construído por Salomão.
  Como já vimos em outros post, os servos de Deus, Esdras e Neemias vão construir o segundo templo, que muito erradamente dizem ter sido Herodes. Ora, aquela serpente, palhaço do governo romano, jamais iria levantar um templo a Adonai. Era ele apenas um reizinho safado que os romanos deixaram para “inglês ver” ou, aqui no caso, para Israel ver.
  E isso se deu porque após a construção do Templo e a libertação do povo da Babilônia e do império medo-persa, Israel voltou à idolatria e o Senhor o entregou definitivamente nas mãos do império romano. Este era o cenário quando se inicia a história do Filho de Deus sobre a Terra...

O difícil começo da nação de Israel

A derrota do exército de Israel e o suicídio do rei Saul, se atirando sobre a espada...



 Como vocês estão vendo aqui e viram em posts anteriores, as Sagradas Escrituras são um manancial inesgotável de histórias, das ações do Todo Poderoso, desde Gênesis, que narra a criação do Universo, até quando milhares de anos, depois do primeiro assassinato, depois do Dilúvio, depois de Enoque, depois de Abraão, Isaque e Jacó, depois dos filhos de Abraão ficarem escravizados no Egito, depois da maravilhosa intervenção do Senhor através de Moisés e de tudo que aconteceu dando testemunho das ações, do projeto de Senhor, da apresentação das Suas leis e decretos ao povo, de muitas guerras, muito sangue derramado, depois de 40 anos de peregrinação no deserto e da morte do grande servo do Senhor, Moisés, terminamos de fazer uma “rápida passagem” sobre a Torah, os cinco primeiros livros da Bíblia, que são Gênesis, Êxodus, Números, Levítico e Deuteronômio, sagrados para Israel, como já escrevi.
  Após isso, Josué assume, atravessa o Jordão e inicia batalhas com povos idólatras, limpando a terra que ia sendo pouco a pouco conquistada por Israel, que nesse tempo ainda não existia como nação. Depois de Josué conquistar as terras e repartí-las, surgiria então a nação forte de Israel, pois Deus estava com eles até ali.
  Após isso, vem o livro dos Juízes, que narrará as histórias dos juízes de Israel, com algumas muito conhecidas, como a de Gideão e Sansão, e outras não. Nós separamos a história de Jefté, para contar para vocês no próximo post.
  Samuel, profeta e sacerdote de Deus, foi o último juíz sobre Israel, e seu nome não consta no livro de Juízes, pois ele terá seus próprios livros. E, a partir de seu último livro começará as histórias dos reis de Israel começando a narrativa já em seus dois livros, com Saul e Davi, os dois primeiros reis de Israel.
  Mas antes de tudo isso, há que se abrir espaço para um livro que pode não parecer tão importante, mas tem grande significado na história de Israel, que é o livro de Rute. A moça, após ficar viúva, mesmo não sendo israelita, resolve, acompanhar sua sogra Noemi, até Israel, terra de Noemi e sua gente. A outra nora, volta para os seus, mas Rute insiste em acompanhar Noemi. Em Israel, após uma vida de penúria, com Rute colhendo restos de espigas de milho nas grandes plantações para seu sustento e o de sua sogra, acaba despertando a atenção e o amor de Boáz, primo de Noemí, e rico fazendeiro. E eles acabam se casando  e, sem que possam saber, Deus já havia escrito que eles seriam os bisavôs do rei Davi!
  Voltando a sequência da narrativa, Samuel era filho de Ana e Elcana, que tinha duas esposas, sendo que uma delas, Ana, não podia ter filhos e por isso achava que o marido gostasse mais da segunda esposa, que lhe dava filhos. Naquela época não ter filhos era uma desgraça para as mulheres. Assim Ana, indo ao Templo do Senhor em Siló, orou para Deus pedindo um filho e fazendo voto de dedicá-lo, assim que estivesse na idade, ao serviço do Senhor no Templo.
  E Deus ouvia a mulher e assim nasceu Samuel, que foi levado ao Templo por Ana, como prometeu, e entregue aos cuidados do sacerdote Eli. E assim, Samuel cresce servindo ao Senhor e já adulto, com a  morte de Eli assume o sacerdócio e o juizado sobre o povo de Israel.
  A história do rei Saul, pedido pelo povo ao Senhor contra a vontade de Samuel, foi rápida, conturbada e trágica. O Senhor se irou com ele por sua desobediência e deixou que ele sofresse uma grande derrota, levando praticamente todos os bravos de Israel – inclusive seus próprios filhos, à morte.
  Desesperado com a derrota e por ter perdido o favor de Adonai, Saul se lança sobre sua espada, mas fica agonizando e não morre, até que passa um curioso depois do fim da grande batalha, e Saul fracamente suplica ao estranho que ajude a acabar sua agonia. E o estranho fez isso e morre assim o primeiro rei de Israel. Davi, que era soldado que desertou do exército de Saul por quê este queria matá-lo, será ungido por ordem direta de Deus a Samuel, o novo rei sobre Israel!  

terça-feira, 7 de março de 2017

Você sabe com quem está falando?

  Se você acha que baterista só serve pra fazer barulho, veja só o vídeo que Daniel Batera postou no Youtube, com uma lição imperdível sobre a imbecilidade humana. Mandaram o vídeo pra nós e a gente o postou aqui, já que achei ele impressionante. Este vídeo deveria ser exibido em todas as escolas de 1o e 2o graus e, principalmente nas Faculdades...

video

Os médicos do riso







Eles são parecidos com anjos, que vêm fazer o bem e desaparecem e ninguém consegue encontrá-los. Eu os vi no Hospital Amaral Carvalho, de Jaú, SP. São dois jovens. Uma moça e um rapaz. Ela toca violão e canta e ele dança à maneira dele, e ninguém consegue ficar sem ao menos esboçar um sorriso ao vê-los se apresentando para os doentes do hospital. Tentei encontrá-los através da Net, mas eles simplesmente sumiram. Achei até outros anjos como eles, mas são de Minas Gerais.
  Essa dupla que encontrei lá no Amaral Carvalho, fazem rir até médicos, como dá pra ver na foto abaixo. Eles são conhecidos como Os Médicos do Riso e a missão que eles mesmos se deram na Terra, é levar um pouco de descontração e alegria num local triste, como um hospital.
  Como a luta eterna entre o Bem e o Mal, eles levam onde tem lágrimas e dor, alegria e amor. Quando eles chegam levando carinho através do riso e da música, àqueles que estão passando, na maioria das vezes, pelos piores momentos de suas vidas, é como se  dissessem àquelas pessoas...Vocês não estão sós! Nós nos importamos com vocês! E isso faz muita diferença para uma pessoa doente!
  Que o Senhor Deus e Seu Filho Jesus os abençoe e façam surgir muitos outros jovens assim, que levam alegria, ânimo e amor, se dedicando aos seus semelhantes.


O que eles fazem é simplesmente uma coisa chamada ação, que segundo
o apóstolo Paulo é o que o Senhor espera de nós...É preciso ação!

video

segunda-feira, 6 de março de 2017

Jerusalém

A velha Jerusalém. Na visão parcial, o local conhecido como a Torre do rei Davi












O povo hebreu, já destro em batalhas, tendo o anjo do Senhor à frente, vai conquistando terras e terras. Até a vitória final, que é a conquista de Jerusalém, a misteriosa e sagrada cidade do Grande Rei.  Conhecida por outros nomes antes, a capital espiritual de Israel, cuja capital hoje é Telaviv, foi invadida por cristãos católicos a partir do primeiro milênio e, a Igreja Católica, fundada pelo imperador Constantino começou as guerras chamadas Cruzadas (ou santas), se apossando dos chamados lugares santos. Depois destes, surgiriam os Cavaleiros Templários, que protegiam os cristãos que iam para Israel (que não mais existia) e, segundo as lendas, eram responsáveis pelo Santo Graal e pelos tesouros de Salomão.
  Tudo isso se deu até a conhecida Idade Média, quando os Cruzados foram derrotados e os templários foram traídos e mortos na França. Os de outros países conseguiram fugir e se instalar em novas terras e evitar a perseguição da igreja. No link https://pt.wikipedia.org/wiki/Ordem_dos_Templários)
você poderá ler toda a história verdadeira mesclada com as lendas sobre os Cavaleiros Templários.
  Saladino, morto em 4 de março de 1193, foi um chefe militar curdo-muçulmano que se tornou sultão do Egito e da Síria e liderou a oposição islâmica aos cruzados europeus no Levante. No auge de seu poder, seu domínio se estendia pelo Egito, Palestina, Síria, Iraque, Iêmen e pelo Hijaz. Foi responsável por reconquistar Jerusalém das mãos de cruzados e templários, após sua vitória na Batalha de Hattin.
  Num dos muitos filmes sobre aquela época, Saladino, após derrotar os soldados da Igreja em Jerusalém e oferecer vida e liberdade aos sobreviventes que se renderem, dá uma resposta interessante ao líder militar quando este pergunta o que significava para todos Jerusalém, e o rei mouro, que ia se afastando, dá uma parada e responde: - Nada...e tudo!
  Assim entendemos porque os israelitas (conhecidos no mundo apenas como judeus), tanto amam Jerusalém e o Templo, ambos sagrados para eles e em outras terras derramavam lágrimas de tristeza e saudade por causa deles.
  A maior e mais famosa cidade histórica e religiosa do mundo, não tem menção bíblica sobre quando surgiu ou quem a fundou, por isso ela também é conhecida como a cidade eterna, pois Deus promete, além de uma nova Terra e novo Céu, uma nova Jerusalém, vinda dos céus para o reinado eterno de Jesus sobre os reinos da Terra.
  E, embora possamos não entender, o garantido é que Jerusalém existe, não teve início e nem terá fim, pois é eterna, assim como nós, pobres mortais, também poderemos ser eternos, seguindo as ordens de Deus e do Seu Filho, pois de acordo com o plano divino, nós fomos criados para isso!

domingo, 5 de março de 2017

Nasce Israel

Josué vibra quando vê as fortes muralhas de Jericó virem ao chão, derrubadas pelo braço poderoso do Altíssimo!



E Josué, que será o primeiro líder e juiz da nação que começa se formar, continua à frente, confiando em Adonai e fazendo as guerras que tinha que fazer. Num entardecer, quando andava andava pelo acampamento, viu uma figura que não pode distinguir. Então perguntou se era amigo ou inimigo. E o vulto, que foi crescendo e se destacando à frente de Josué, disse que era o Príncipe dos Exércitos do Senhor e mandou Josué tirar as sandálias, por quê aquele local agora era santo. Josué obedeceu, e caindo de joelhos, perguntou o que o Senhor mandava dizer a ele. Mas a narrativa termina aí e não se sabe o que o Príncipe, que era Miguel (que depois voltaria à Terra como Jesus), respondeu.
  Mais tarde o sucessor de Moisés ainda recebe um “puxão de orelhas” do Senhor que disse que Josué poderia ter conquistado muitas outras terras, e que agora já não poderia mais, pois estava velho...
 Mesmo assim, uma das primeiras batalhas de Josué e os guerreiros israelitas – e depois uma ao final das conquistas, são épicas, como a conquista de Jericó, onde Adonai, após o toque das trombetas dos sacerdotes, faz cair o grande muro da cidade, deixando que o Exército de Israel entrasse. Josué mandou que todos da cidade de Jericó, homens, mulheres, crianças e animais, fossem mortos e que nenhum soldado tomasse nada dali, como era costume antigamente os vencedores tomarem o espólio (ou despojo) do inimigo. A cidade e tudo quanto havia nela queimaram a fogo,  tão somente a prata, e o ouro, e os vasos de bronze e de ferro, colocaram-nos no tesouro da casa do Senhor. Apenas foi poupada naquela cidade a vida da meretriz Raabe e da sua família, pois ela escondera os espiões de Israel quando eles estiveram em missão em Jericó. E, quando Raabe os ajudou a fugir, fez com que jurassem poupar a vida dela e de sua família. E assim O Senhor permitiu que uma meretriz morasse no acampamento do Seu povo, pois ela temeu o Deus de que ouvira falar, como também o Exército de Josué.
  Josué também lançou uma maldição sobre Jericó, dizendo que quem começasse a reconstruí-la, perderia seu primogênito e ao colocar a última porta, morreria também o filho mais novo. E assim se deu, anos mais tarde, quando Jericó foi reconstruída...
  Outra batalha fenomenal se deu quando Josué e seus soldados perseguiam seus inimigos e o dia começou a findar. Josué olhou para o céu e não pensou duas vezes, dando ordem ao sol para parar onde estava e que a lua se detesse, até que Israel alcançasse seus inimigos. E assim aconteceu, ficando na história como o dia que o Senhor atendeu às ordens que um homem dava a duas de suas grande obras, o sol e a lua. E o Senhor fez eles pararem...
  Assim, conquistadas várias terras e mortos muitos inimigos de Israel, Josué faz a divisão das terras entre as tribos, sendo que a tribo de Levi não terá terra, como foi explicado em posts passados, pois ficará em Jerusalém prestando serviços religiosos ao Senhor. A tribo de Judá ficará com as terras onde se encontra a Cidade Santa. Calebe, por ordem do Senhor, recebeu terras entre a tribo de Judá e as demais tribos se espalharam pelas terras que juntas formaram a grande nação de Israel. E Israel se tornou um império e o terror do Senhor se espalhava sobre as outras nações.

sábado, 4 de março de 2017

Enfim, a Terra Prometida, onde mana leite e mel

  Desenho do Tabernáculo, de autor desconhecido. No desenho se vê ao fundo o Sinai e as tendas do povo de Deus, tomando todo o vale. O Tabernáculo foi feito por Moisés para adoração a Deus. Era o local mais sagrado do acampamento, pois nele estava o Santo dos santos, a parte ao fundo, onde descia a nuvem da Glória do Senhor e estava a Arca da Aliança. Ali somente entravam Moisés e o sacerdote Aarão. O próprio Senhor foi quem dera a Moisés as medidas e as formas que teriam o Tabernáculo, assim como faria muito tempo depois, quando o rei Salomão iria construir o primeiro Templo em Jerusalém. 







  Assim, após as lamentações feitas pela partida de Moisés, o grande líder do povo hebreu, Josué assume o lugar dele e o Senhor lhe diz: -"Não temas. Sê forte e corajoso, que EU estarei contigo"! - Então o Senhor manda que eles levantem acampamento e cruzem o Jordão, dizendo depois a Josué: - "Onde pisar a planta de vossos pés, aquela terra será vossa. EU a darei a vocês"!
  O acampamento é levantado e os levitas, que eram os nascidos da tribo de Levi, cuja função era prestar serviço diante do Senhor, como sacerdotes do Altíssimo, colocam sobre os ombros a Arca da Aliança, onde estavam depositadas as tábuas sagradas, com os Dez Mandamentos de Deus e seguem frente ao povo.
  Ao se aproximarem com a Arca sagrada às margens do Jordão, Deus faz as águas se abrirem, como fizera anos antes com o Mar Vermelho e os sacerdotes ficam de pé no meio do rio com a Arca às costas, até todo o povo de Israel atravessar pela parte seca entre as águas. Josué dá ordem então para que se pegue 12 pedras do leito do rio, que simbolizavam as 12 tribos de Israel.
  O povo termina de passar e os sacerdotes saem do rio. Assim que seus pés tocam as margens, as águas do Jordão voltam ao seu curso natural. Josué manda então se erguer um memorial ao Senhor com as 12 pedras que apanharam do Jordão e diz ao povo: - "Até aqui nos ajudou o Senhor Deus"!
 
  No próximo post, Jesus aparece ao entardecer a Josué no acampamento dos israelitas e o povo, já destro em batalhas, tendo o anjo do Senhor à frente, vai conquistando terras e terras. Até a vitória final, que é tomar Jerusalém e Josué faz a divisão das terras entre as tribos, sendo que a tribo de Levi não terá terra, como foi explicado em posts passados, pois ficará em Jerusalém prestando serviços religiosos ao Senhor. A tribo de Judá ficará com as terras onde se encontra a Cidade Santa. E Israel irá se tornando um império e o terror do Senhor se espalhará sobre as outras nações.

quinta-feira, 2 de março de 2017

Se você conhece a Bíblia então me explica isso...




As Sagradas Escrituras não são entendidas por muitos porque os fatos parecem não se relacionarem e isso é por causa da separação dos livros, quando se resolveu colocar os livros dos santos profetas no final do Velho Testamento, sendo toda a atuação desses santos de Deus no tempo dos reis de Israel. No próprio livro chamado Reis ou no das Crônicas dos reis, vamos encontrar alusão a esses profetas. Assim, somente como exemplo e já que estamos trabalhando nesta parte, quando aos 120 anos de idade, por causa das águas de Meribá, episódio onde Moisés faz algo além do que o Senhor havia mandado e, por isso, é impedido de entrar na Terra Prometida, é descrito ao fim, quando Josué já tinha sido nomeado sucessor de Moisés e já próximo para atravessar o Jordão, que o Senhor leva Moisés para um alto monte e lhe mostra toda a beleza da terra prometida , onde manava leite e mel.
  E Moisés contempla aquilo feliz e morre. E o próprio Deus sepulta seu corpo. Os hebreus cansaram de procurar, mas a sepultura de Moisés jamais foi encontrada! Mas, daí a milhares de anos, os fatos se interligam e, no presente, você volta ao passado e tem a resposta. Isso é maravilhoso e só poderia acontecer no livro ditado pelo próprio Espírito Santo de Deus!
  No Novo Testamento, depois que Jesus esteve na Terra e já voltara à Sua Glória à Direita do Pai, na carta do apóstolo Judas (não é o Iscariotes, que se matou), vamos encontrar a resposta para onde foi o corpo de Moisés. No capítulo 09, Judas cita um evento não escrito em nenhuma outra parte da Bíblia Sagrada, que é o Arcanjo Miguel (Jesus), levando o corpo de Moisés. Isso acontece na dimensão espiritual, onde constantemente se travava batalhas entre anjos e demônios – e novamente se travará, ao final dos tempos. Então, quando Miguel leva o corpo de Moisés para a glória, Satanás aparece e tenta tomar o corpo do servo de Deus das mãos de Miguel. Este, sem se alterar, apenas diz para o Senhor repreender a Satanás...e acaba a narrativa.
  Agora, para aqueles que dizem que a Bíblia é apenas um amontoado de livros escritos pelos próprios homens, é uma verdade, mas eles acabam negando a interferência do Espírito Santo na inspiração dos escritos sagrados. Pensem bem. Quando Moisés morreu, Jesus ainda não havia vindo à Terra para seu grande Sacrifício pela Humanidade, dando uma ponte divina para que pudéssemos, através do Seu Nome, falar e pedir coisas e ajuda ao Pai. Mas Moisés e Elias, o profeta que foi para a glória num carro de fogo, aparecem na Terra conversando com Jesus...Como então o apóstolo Judas iria saber que o corpo de Moisés tinha sido transformado e levado pelo Arcanjo Miguel aos Céus?
  Como haviam (e há) as profecias, que falam sobre coisas por vir, haviam também as revelações, mostrando certos fatos que haviam ocorrido milhares de anos atrás e que ninguém poderia saber, já que não estava escrito e ninguém havia presenciado! Como popularmente se diz aqui na Terra, “só por Deus”! E é por isso que a Bíblia é santa, é a Palavra de Deus e que o homem deveria lê-la com humildade e pedindo ao Senhor iluminação para entender seus mistérios. Não para se gabar que sabe a Bíblia de cor e salteado, todos os livros e versículos e pode citar eles. Isso é para quem decora a Bíblia, mas não quer dizer que tal pessoa entenda a mensagem maravilhosa ou foi iluminada  para conhecer algum dos milhares dos mistérios do Criador do Universo, o Senhor Deus de Israel!

Na pintura, Moisés, o servo fiel, que o próprio Deus mandou levar seu corpo, já transformado, para os Céus, o que somente foi revelado milhares de anos depois para um dos apóstolos. Está no Novo Testamento, Judas, 9.

Assim como o rio Tietê, o Senhor deu aos homens da Terra uma exuberante e bela natureza


Rio Tietê, separando neste local as cidade de Barra Bonita e Igaraçu do Tietê. Há mais de um século o povo das duas vilas se comunicavam e negociavam atravessando de canoas. E os navios, chamados vapores, desciam e subiam o grande rio, levando e trazendo gente, animais e produtos vários. Em 1915 o então presidente da República, Campos Salles, comprou uma ponte toda feita em aço da Alemanha e os próprios engenheiros e profissionais daquele país vieram fazer a montagem. Assim, o Tietê separava as duas cidades e a ponte agora as unia...Deus deu o rio para o homem e cuidou até desses detalhes narrados aqui, pois Deus é bom, mas o homem não nota isso!

As tábuas da Lei, o bezerro de ouro e o castigo de 40 anos



 O Deus de Abraão, Isaque e Jacó escreve com fogo na pedra seus Dez Mandamentos, frente a um perplexo, assustado e ao mesmo tempo maravilhado Moisés...
(Foto ilustração dos Dez Mandamentos de Cecil B. Demille - 1956)






Já ao pé do Monte Sinai (Horebe), o monte santo do Senhor, faltando poucos dias para se chegar ao rio Jordão, que era a linha divisória entre a Terra Prometida a as outras terras, o povo acampou para descansar, enchendo todo o vale, tal era o volume de homens, mulheres e crianças.
 E alí, o Senhor falava com Moisés no alto do monte. O jovem Josué, que sem saber, seria o sucessor de Moisés, seguia ele sempre até a metade do caminho e ali ficava, esperando seu senhor...
  Mas naquele dia especial, Deus mandou que Moisés subisse só e que ninguém, homem ou animal encostasse ao pé do monte, pois iria morrer. E o motivo desta ordem o povo todo viu logo depois que Moisés subiu. Fogo, trovões, som de trombetas e tremor de terra, pareciam sacudir todo o monte. Era a Glória do Senhor que descia ao monte santo para passar as Tábuas da Lei com os Dez Mandamentos, para Moisés e para o povo.
  E Moisés ficou no monte com o Senhor 40 dias e 40 noites e o povo, lá embaixo no acampamento, já começou a imaginar que o líder, profeta, legislador e primeiro juiz de Israel, havia morrido, pois demorava a voltar. E os murmuradores...sempre eles...começaram a perturbar o povo com seu negativismo e daí a pouco todos se voltaram contra um apavorado Aarão, obrigando-o a fazer um ídolo, um bezerro de ouro para ele adorarem como deus deles.
  Aarão não queria, mas tendo milhões de pessoas enraivecidas nos ameaçando, qualquer um de nós iria fazer o que eles mandavam. E assim Aarão fez e colocaram o pesado bezerro num pedestal e começaram a adorá-lo, dançar, festejar e fazer obcenidades em homenagem à figura.
  Lá do alto do monte, o Senhor que tudo vê e ouve e sabe, disse a Moisés para descer, pois havia muito barulho de festa no acampamento. Moisés tomou as duas tábuas da Lei onde fogo do Senhor, vindo do Céu havia escrito seus Dez Mandamentos e desceu para ver o que estava acontecendo.
  Ao chegar próximo à base do monte, Moisés viu tudo o que ocorria e, num acesso de fúria, atirou as tábuas da Lei sobre as pedras do monte, quebrando-as e descendo, estilhaçou o ídolo, jogou seu pó na água e obrigou o povo a beber dela. Então ficou em pé, à entrada do acampamento, e disse: "Quem é pelo Senhor, junte-se a mim". Todos os levitas se juntaram a ele. Então disse Moisés: "Assim diz o Senhor, o Deus de Israel: 'Pegue cada um sua espada, percorra o acampamento, de tenda em tenda, e mate o seu irmão, o seu amigo e o seu vizinho"!
   E assim fizeram os levitas conforme Moisés ordenou, e naquele dia morreram cerca de três mil dentre o povo. Disse então Moisés: "Hoje vocês se consagraram ao Senhor, pois nenhum de vocês poupou o seu filho e o seu irmão, de modo que o Senhor os abençoou neste dia"!
  E Moisés voltou ao monte, onde o Senhor fez novas Tábuas da Lei e Moisés, de joelhos, suplicou que Adonai desviasse sua ira daquele povo rebelde, pois era o povo Dele. O Senhor, como já foi escrito, afastou-se do povo para não destruí-lo, mas disse que ainda iria castigá-los...
  E o castigo definitivo não demorou, pois ao chegar perto de Canaã, Moisés mandou Josué, Calebe e outros junto com eles para explorar a terra e fazer um levantamento geral, principalmente sobre os inimigos que teriam pela frente, até chegar ao local prometido por Deus, que mais tarde, poderemos ver eram todas as terras que circundavam a cidade de Jerusalém, a cidade do Grande Rei.
  Os espiões foram e, quando voltaram, Josué e Calebe viam sorridentes, trazendo às costas enormes cachos de uvas e dizendo que a terra era boa e farta. Mas seus companheiros vieram assustando o povo, dizendo que a terra era perigosa, cheia de gigantes e que eles por certo seriam mortos se entrassem nela.
  Foi o bastante para o Senhor. Os pregadores de fatalidades, morreram ali mesmo, frente ao povo que já havia começado a murmurar contra o Senhor. E, depois desse fato que foi o estopim para irar ainda mais o Todo Poderoso, Ele disse a Moisés que, por aquele acontecimento e pela falta de confiança do povo no seu Deus, somente Josué e Calebe iriam entrar na Terra Prometida e os que tinham menos que 20 anos de idade. Todos os outros do povo iriam percorrer o deserto por 40 anos, não iriam ver a Terra Prometida e iriam andar até cairem mortos no deserto.
  E assim Deus falou e assim foi. Ao fim dos 40 anos, quando toda aquela geração já havia morrido, Moisés já contava com 120 anos de idade. Mas era saudável e seus olhos enxergavam como os olhos de um jovem...

quarta-feira, 1 de março de 2017

Meus amados primos

Rutinha, César, Nilsa Marina (que já está nos braços de Abraão)
Luciene, Dejair e Hellen White. São parte de minha família
e moram em Santa Gertrudes, SP, onde também morei...
Peço que anjos do Senhor estejam ao lado de vocês!

Hei de ver meu Redentor!

video
Uma linda gravação das minhas primas Ruth, Hellen White
Luciene, Michelle, nora da Hellen e do meu primo Gilmar

O Mar Vermelho e a ira do Senhor




Os hebreus à frente instigados a andar depressa por Moisés, pois ele, com o conhecimento que tinha do poderio egipcio, sabia que o ódio do Faraó era maior que a tristeza e praticamente sabia que o orgulho ia lançar o Faraó e seu exército em perseguição a eles. E não deu outra: quando chegaram próximo ao Mar Vermelho, o exército já estava nos calcanhares do povo de Deus. Não se atravessa um mar a nado e tampouco ninguém, em sã consciência irá voltar e enfrentar, desarmado, um furioso exército.
  Mas o que o Faraó não contava e os hebreus ainda não tinham plena consciência, é que o o Anjo do Todo Poderoso já os estava protegendo desde a saída do Egito. De dia, uma nuvem  ia à frente do povo, guiando-os pelo caminho e inclusive pairando sobre aqueles 3 milhões de almas e dando-lhes refrescante sombra e, à noite, uma coluna de fogo também os dirigia, para que eles pudessem caminhar dia e noite, para o mais longe que pudessem do Egito.

O exército do Faraó persegue os hebreus e vento e fogo atrasam os soldados egipcios
Todas as fotos publicadas aqui são do filme Os 10 Mandamentos, de 1956


  Mas agora, o Faraó, seus soldados em bigas e cavalos nervosos, estavam próximos a eles, mas aí a nuvem do Senhor encobriu o caminho e as bigas tinham que ir lentamente, pois os soldados nada viam. Uma grande ventania fustigava e atemorizava os cavalos. Então o Senhor disse a Moisés para bater seu cajado na água da praia. Moisés não entendeu nada, mas obedeceu, pois sabia que estava diante da maior força do Universo. Do poder que criou o próprio Universo. Assim feriu a água do Mar Vermelho com seu cajado e um vento furioso começou a soprar e a partir as águas do mar, abrindo um caminho de margem a margem, por onde Moisés mandou o povo começar a passar apressadamente.

Moisés (Charlton Heston - Os 10 Mandamentos - 1956)
 bate com o cajado na água e o mar se divide em dois...

  Enquanto isso ocorria, fora da vista do exército do Faraó, a nuvem lá atrás continuava impedindo-os de prosseguir. O mar soprou toda a noite, segurando os dois lados das águas do mar, até que o próprio Moisés e seus irmãos Aarão e Miriam, vendo que o povo já estava quase todo do outro lado, também atravessaram entre as duas montanhas de água. Quando estavam pelo meio, o Senhor tirou sua nuvem de frente dos cavalos e o exército egipcio saiu em disparada, penetrando por entre o tunel de água feito por Adonai. Assim que a maior parte do exército estava entre as águas do Mar Vermelho, o Senhor fez com que as rodas das bigas atolassem, para atrasá-los, até o restante do povo e Moisés estivessem a salvo na outra margem.
  Quando isso aconteceu, o Senhor mandou  Moisés ferir novamente as águas e elas se fecharam estrondosamente sobre o exército do Faraó, matando cavalos e cavaleiros. Quando as águas se acalmaram, voltando ao normal, o Faraó e seus generais contemplaram estarrecidos os corpos mortos de soldados e cavalos e pedaços de bigas espalhados pela praia. O Faraó voltou para seu reino completamente derrotado e humilhado pelo Senhor, para aprender que não há nenhum soberano, homem ou demônio na Terra, no inferno ou em qualquer qualquer parte do Universo que possa enfrentar e vencer o Deus dos deuses e Senhor dos senhores, o Deus dos Exércitos!

...E o povo de Deus chega à outra margem do Mar Vermelho são e salvo

  Porém, dias depois, mesmo vendo o poder e a proteção do Senhor, vários entre o povo começaram a reclamar e o murmúrio deles acabou por contaminar os demais e eles diziam que, para morrer no deserto era melhor terem ficado no Egito, onde tinham carne, água e local de descanso...tipo “no Egito estava bem melhor”!
  E o Senhor deu água a eles, fazendo com que da rocha dura e seca do deserto jorrasse um rio de água e para comida, começou a enviar ao povo o “pão do Céu”, o Manah, que tinha sabor de mel e derretia na boca, como nuvem. E alimentava todo aquele povo. Mas os murmuradores começaram a reclamar de novo e o Senhor, perdendo a paciência, como aconteceu com os primeiros humanos da Terra, quando Deus mandou um dilúvio que matou a todo ser sobre a face da terra, salvando apenas Noé numa arca que ele e seus filhos levaram cerca de 100 anos para fazer...é naquele tempo a coisa não era moleza. Então, depois daquele fato, o Senhor jurou que não mataria mais ninguém sobre a terra com água. Mas agora aqueles murmuradores tentaram a paciência do Senhor Eterno e Ele disse a Moisés que ia matar a todos e de Moisés levantaria outro povo para Ele.
  O grande servo do Senhor caiu de joelhos e disse ao Senhor para não fazer aquilo, pois no Egito e em outras nações iriam dizer que o Senhor tirou o povo da escravidão apenas para matá-lo no deserto. Então o Senhor ouviu Moisés e disse que não iria matá-los ali, mas que também não ficaria perto deles, para não se irar novamente. O Senhor deixou aquele povo e mandou um anjo de Sua parte para ajudar Moisés a continuar a missão.